Publicidade

quarta-feira, 25 de abril de 2012 Política | 19:16

“Argentina interessa à Petrobras”, diz Graça Foster

O pedido do ministro argentino do Planejamento, Julio De Vido, por mais investimentos da Petrobras no país após a nacionalização da YPF não será atendido pela estatal brasileira. O recado foi dado nesta sexta-feira (25) pela presidente da petrolífera, Maria das Graças Foster. “A previsão de investimentos na Argentina não será maior porque foi feito um pedido de aumento de investimento”, afirmou a executiva.

Segundo Graça Foster, o portfólio de atividades e o cronograma de investimentos estimado em US$ 500 milhões para este ano estão mantidos inalteradamente.  “Nós temos um portfólio na Argentina, que interessa à Petrobras. Temos uma relação muito próxima com o país e mantemos os nossos investimentos conforme previsto no nosso plano de negócios”, ressaltou.

A presidente da estatal assegurou assim que não “há justificativa” mudar os aportes projetados. “Os investimentos previstos hoje já estavam previstos há um ano, quando nós aprovamos o Plano de Negócios 2011-2015″, disse.

Sobre o cancelamento de concessão na província de Neuquén pelo governo local, após mais três anos de pesquisas de prospecção por petróleo que consumiram US$ 10 milhões da Petrobras Argentina, Graça Foster afirmou que a empresa tenta resolver o contencioso. “Nós temos uma participação de longos anos na Argentina e esperamos resolver a questão da concessão que nos foi retirada”, indicou.

YPF à moda Petrobras

Pela manhã, durante sabatina por deputado na Comissão de Minas e Energia da Câmara, a presidente da Petrobras evitou comentar as declarações do governo argentino de tomar a estatal brasileira como modelo a ser seguido pela YPF.

A Petrobras Argentina funciona com estrutura similar à mantida no Brasil, com 66% do capital acionário disponível na Bolsa de Valores de Buenos Aires sob o controle da empresa e os 32,8% restantes abertos ao público. No modelo elaborado pelo governo Cristina Kirchner, 51% da YPF foi nacionalizado. A União ficará com 51% da fatia total de ações estatizadas e as províncias (estados) com 49%.

Para Graça Foster, a Petrobras “é apenas uma operadora” no vizinho sul-americano e não pode opinar “o modelo tomado” pelos argentino.

Caminhada para não gastar gasolina

A executiva se reuniu a portas fechadas com o ministro Guido Mantega (Fazenda) no final da tarde desta quarta-feira, após declarar na Câmara que o repasse do aumento do peço do petróleo para a gasolina é inevitável.

Graça Foster chegou à Fazenda andando, vindo do prédio da Petrobras, do outro lado da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, e evitou conversar novos comentário sobre a gasolina. Calcula-se que no Planalto, onde Mantega uma longa reunião com a presidenta Dilma Rousseff, a notícia do aumento nos combustíveis não casou bem com o discurso do governo de que a inflação está rigidamente sob controle.

Por Nivaldo Souza, iG Brasília

Autor: Tags: , ,

Nenhum comentário

 
Deixe seu comentário

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios

 
Responder comentário

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios

ou